Agronegócio lidera embarque de produtos ao exterior

Imagem retirada de http://agrolink.com.br/noticias/agroneg--243-cio-lidera-embarque-de-produtos-ao-exterior_202293.html Imagem retirada de http://agrolink.com.br/noticias/agroneg--243-cio-lidera-embarque-de-produtos-ao-exterior_202293.html

29/08/2014

Carro-chefe da economia brasileira, a importância do agronegócio vai além do mercado interno. Análise da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), com base em dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (Mdic), apontou que de janeiro a julho deste ano, dos dez principais produtos da pauta das exportações do Brasil sete eram do agronegócio. Entre eles: soja, café, bovinos, aves e suínos, itens que lideram as exportações brasileiras. Os únicos produtos que não se enquadram no agronegócio entre os mais comercializados no exterior são: Petróleo e derivados, bens de consumo duráveis e minérios.

Nos sete primeiros meses de 2014, a soja em grão seguiu na liderança das exportações brasileiras do agronegócio com uma arrecadação de US$ 19,3 bilhões, 14,4% a mais no comparativo com o mesmo período do ano passado. Outro item de destaque no período foi a carne bovina com crescimento de 16,7% a um total comercializado de US$ 3,3 bilhões. Além disso, chamou a atenção a alta de 16,1% na receita dos negócios de café que somou no período US$ 3,1 bilhões.

No Paraná, segundo maior produtor agrícola do País, perdendo somente para Mato Grosso, dos dez principais produtos exportados, nove são do agronegócio. O único exportado fora do segmento agropecuário é automóvel, que ocupa a 6ª posição no ranking do Estado. Segundo dados do Mdic, analisados pela Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep), no ano 2000 os produtos do agronegócio representavam 62% da pauta das exportações. Em 2013 essa representatividade saltou para 74%. O agronegócio paranaense movimentou no ano passado US$ 13,54 bilhões, a um total de US$ 18,23 bilhões de produtos enviados pelo Paraná ao exterior.

O complexo soja (grão, óleo e farelo), lidera as exportações paranaenses. No ano passado a receita do embarque desses três produtos chegou a US$ 6,15 bilhões, 14,15% a mais se comparado a 2012. No primeiro semestre de 2014 o embarque de produtos do complexo soja registrou um incremento de 13,43% na mesma base de comparação com o ano passado. Ao todo, em 2014 foram comercializados no mercado externo US$ 4,20 bilhões. Só a soja em grão representou 44% da receita de todos os produtos embarcados pelo Paraná no semestre. Em volume, no primeiro semestre deste ano foram enviadas ao exterior 8,02 milhões de toneladas de produtos do complexo soja, alta de 13,43%.

Pedro Loyola, economista da Faep, explica que o alto ganho em produtividade das lavouras de soja garantiu o aumento da participação do complexo nas exportações paranaenses. Além disso, completa o especialista, o processo de agroindustrialização, que tem crescido no Paraná nos últimos anos, estimulou o embarque de produtos de maior valor agregado. O economista ainda completa que a abertura do mercado chinês foi o maior responsável pelo aquecimento das exportações paranaenses do complexo soja.

A tendência, observa Loyola, é de que as vendas do agronegócio no segmento soja não se alterem muito nos próximos anos devido ao limite máximo de crescimento da produtividade que a cultura tem atingindo. Porém, o economista vê no milho um item em potencial para elevar a pauta das exportações paranaenses, já que a cultura tem muito o que crescer em termos de produtividade. Outros produtos que compõem a pauta das exportações paranaenses do agronegócio são: aves, suínos, bovinos, madeira, borracha, entre outros.

Indústrias
A agroindústria também tem contribuído para elevar as vendas externas do agronegócio paranaense, segundo avalia Francisco José Gouveia de Castro, economista do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes). Segundo ele, o setor de alimentos representa 21% da transformação industrial do Estado. "O agronegócio é o setor que mais tem representatividade no Paraná", declara. Castro observa que a tendência é que o Estado exporte mais produtos acabados daqui para frente, o que será muito importante para a economia local. "A agroindústria está preparada para exportar", enfatiza o economista.

Fonte: Agrolink, com informações da Folha Web (escrita por Ricardo Maia)