Algodão aproveita brechas e deve ganhar 28% a mais de área em MT

Imagem: Leandro J.Nascimento/G1 Imagem: Leandro J.Nascimento/G1

09/12/2013

Terminou o vazio sanitário do algodão e os produtores mato-grossenses já estão autorizados a plantar a safra 2013/14. O novo ciclo promete ser de alta, com ganhos de área e também em produção, reflexo da melhoria dos preços internos e externos ao longo do ano e da vantagem sobre as commodities concorrentes, como o milho.

Estimativa do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) é que o espaço reservado à cultura cresça 28,5% nesta edição, indo a 581 mil hectares. A produção em pluma deve ficar 21,5% acima da temporada 2012/13, avançando de 687 para 835 mil toneladas. Já a de caroço, passar de 2,1 milhões de toneladas, resultado também 21,5% acima da última.

“O preço está em um patamar em que o produtor pode assegurar uma rentabilidade. Nossa conjuntura atual do milho também proporcionou essa vantagem, com o algodão sendo mais competitivo. Os produtores estão preferindo plantar a cultura”, afirmou ao G1 a analista de mercado do Imea, Elisa Gomes.

Somente na última semana os preços do algodão estavam 35% maiores que o ano passado, chegando aos R$ 64 a arroba. Em 2012, nesta mesma época, eram R$ 50 a arroba.

Segundo o Imea, a maior parcela das lavouras de algodão deve ser em segunda safra, ou em 330,4 mil hectares.

O vazio
Durante 60 dias o cultivo do algodão ficou proibido no Estado. A restrição é uma medida preventiva, visando quebrar o ciclo reprodutivo do bicudo. Em 2013 o vazio sanitário começou mais tarde, em 1º de outubro, atendendo a uma solicitação da Associação dos Produtores do Estado (Ampa), justificado pelo atraso no plantio, refletindo em uma colheita tardia e também pelo maior número de áreas cultivadas frente ao último ciclo.

Tradicionalmente, o vazio sanitário do algodão começa no dia 15 de setembro e encerra em 30 de novembro.

Fonte: G1, escrita por Leandro J. Nascimento