Brasil deve exportar em 2017 mais soja e menos milho que o previsto, diz Anec

Imagem retirada de http://agroadvisor.com.br/wp-content/uploads/export-696x445.jpg Imagem retirada de http://agroadvisor.com.br/wp-content/uploads/export-696x445.jpg

06/11/2017

As exportações de soja do Brasil em 2017 deverão ser maiores do que o inicialmente previsto, enquanto as de milho tendem a cair abaixo do anteriormente projetado, informou nesta quarta-feira a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec).

Conforme a entidade, os embarques de soja pelo país neste ano deverão totalizar 66 milhões de toneladas, acima das 64 milhões de toneladas previstas anteriormente e bem superiores às 50,5 milhões de toneladas de 2016, quando a safra foi prejudicada pela seca.

"A demanda internacional se mantém muito forte, principalmente a demanda da China. Além disso, devido aos preços, a soja brasileira continua competitiva no mercado internacional. E nosso estoque era muito grande após uma safra recorde", afirmou à Reuters o assistente executivo da Anec, Lucas Trindade.

Conforme dados da Anec, do total exportado até o momento no ano, de 63,5 milhões de toneladas, um volume de aproximadamente 47,5 milhões de toneladas teve como destino a China, o que representa cerca de 75 por cento de toda a soja comercializada pelo Brasil no mercado internacional.

No caso do milho, a associação prevê agora exportações de 30 milhões de toneladas no ano fechado, bem acima das 17,4 milhões de toneladas de 2016, quando houve quebra de safra por causa da seca, mas abaixo das 32 milhões de toneladas previstas anteriormente.

"O preço do milho está muito baixo, e os produtores não estão satisfeitos. Muitos optam por segurar a mercadoria à espera de preços mais altos", explicou Trindade.

No acumulado do ano até outubro, as exportações de milho têm alta de 37 por cento em comparação ao ano passado, para 21,5 milhões de toneladas.

Outubro
Especificamente para o mês passado, o Brasil exportou 2,7 milhões de toneladas de soja, o maior volume já registrado para o período, superando o recorde anterior, observado em 2015, de 2 milhões de toneladas, segundo a Anec.

Para novembro, aproximadamente 1,5 milhão de toneladas estão estimadas para embarque nos portos brasileiros.

Em relação ao milho, os embarques no mês passado totalizaram 4,4 milhões de toneladas, acima da média para o período, mas abaixo das 4,9 milhões de toneladas de igual mês de 2016, ainda de acordo com os cálculos da Anec.

Neste mês de novembro, cerca de 3,8 milhões de toneladas de milho estão programadas para serem embarcadas nos diferentes portos brasileiros, concluiu a Anec.

fonte: Udop, com informações da Reuters (escrita por José Roberto Gomes)