Brasil passa a consumir mais trigo “de casa”

Imagem retirada de http://agrolink.com.br/noticias/brasil-passa-a-consumir-mais-trigo--de-casa-_218409.html Imagem retirada de http://agrolink.com.br/noticias/brasil-passa-a-consumir-mais-trigo--de-casa-_218409.html

06/05/2015

Produção maior e mercado mais sustentável. O plantio de trigo começa a engrenar em meio a uma série de alterações que prometem, finalmente, estimular o setor a partir de um consumo crescente de trigo nacional. No campo, o cereal tem nova chance de atingir volume recorde. Na comercialização, o fluxo do Sul para o Nordeste testa seu potencial – e pode passar de 1 milhão de toneladas.

Um levantamento feito pelo Agronegócio Gazeta do Povo, com as projeções regionais, mostra que o país tem a chance de produzir recorde de mais de 7,5 milhões de toneladas em 2015. Apostas de peso estão ocorrendo no Paraná e Rio Grande do Sul, os dois principais produtores. A principal variável é o clima.

Em ano de El Niño, há risco de chuva em excesso na colheita, como em 2014, quando houve tombo de mais de 1 milhão de toneladas na safra gaúcha.Por outro lado, se não forem concentradas, as chuvas prometem inclusive elevar a produção.

Com umidade garantida, o Paraná espera 3 mil quilos e o Rio Grande do Sul pode atingir média de 2,9 mil quilos de trigo por hectare, mostram os números do setor privado.

As cooperativas gaúchas apostam no plantio de 1 milhão de hectares no estado, enquanto as paranaenses confiam em 1,36 milhão, apontam as entidades que representam o setor: Fecoagro e Ocepar, respectivamente. O plantio se aproxima de 20% nas lavouras do Paraná e acaba de começar no Rio Grande do Sul.

Com essas áreas e esses índices de produtividade, os dois estados, normalmente responsáveis por 90% da safra, devem colher 7 milhões de toneladas. Como as outras regiões devem ser menos beneficiadas pela umidade do El Niño que o Sul, a estimativa nacional do setor privado é de 7,5 milhões de toneladas.

Instituições públicas como a Emater gaúcha e a Companhia Nacional do Abastecimento (Conab) preparam suas primeiras projeções. Nos bastidores, os técnicos revelam que vão derrubar as previsões iniciais de que haveria redução de 20% no plantio.

Mesmo com as notícias de plantio reforçado, os preços ao produtor se mantêm acima dos custos neste momento. O mercado interno dispõe de menos cereal importado, apontam os analistas.

O reajuste de 4,5% no preço mínimo, anunciado para julho, promete reduzir prejuízos em caso a sobreoferta, acrescentam. A saca de 60 quilos de trigo tipo 1 deve render R$ 34,95 na Região Sul em 2015/16 com apoio oficial – caso sejam acionados programas como o Prêmio Equalizador Pago ao Produtor (Pepro).

Mas, no Paraná, a previsão é que o preço fique acima disso na colheita, em cerca de R$ 35 por saca.Se esse patamar for atingido, considerando custo variável de R$ 30,9 por saca, a lucratividade do trigo será de 14%, aponta o analista da consultoria Trigo & Farinhas Luiz Carlos Pacheco.

“Até agosto, os preços internos vão seguir a cotação do trigo importado. Depois, deverão sofrem pressão da colheita, como normalmente ocorre. O melhor período para venda será entre dezembro de 2015 e julho de 2016, porque tudo indica que haverá estoques apertados no mundo”, detalha.

O produtor gaúcho – que puxava o recuo nacional, ainda frustrado com a quebra de 2014 – recupera parte de seu ânimo às vésperas do plantio, afirma o presidente da Fecoagro-RS, Paulo Pires. O aumento de até 30% nos custos vem sendo rebatido pelas perspectivas de preços rentáveis, considera.

Quem iria plantar 20% menos agora deve recuar 15%, sugere. “Esperávamos reajuste maior no preço mínimo, de 19% em dois anos [só 4,5% estão garantidos em 2015]. Mesmo assim, o Rio Grande do Sul tem possibilidade de plantar 1 milhão de hectares”, confirma.

Fonte: Agrolink, com informações da Gazeta do Povo (escrita por José Rocher)