Cana segura a alta dos preços agropecuários paulista em 2012

Imagem retirada de http://www.agrolink.com.br/noticias/cana-segura-a-alta-dos-pre--231-os-agropecu--225-rios-paulista-em-2012_163977.html Imagem retirada de http://www.agrolink.com.br/noticias/cana-segura-a-alta-dos-pre--231-os-agropecu--225-rios-paulista-em-2012_163977.html

18/01/2013

O IqPR - Índice Quadrissemanal de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista, fechou 2012 com alta de 5,24%. Número que poderia ser maior não fosse a queda 5,38% nos preços da cana-de-açúcar observada durante o ano passado. Ao se excluir a cana, o IqPR registra variação de 15,41%, puxado principalmente pela ascensão de 17,17% dos produtos vegetais. A análise é do Instituto de Economia Agrícola – IEA/Apta da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

A variação negativa da cultura mascara a forte elevação dos preços de grande parte dos produtos agrícolas paulistas em 2012, afirmam os pesquisadores Luis Henrique Perez, Danton Leonel de Camargo Bini, José Alberto Angelo, Eder Pinatti. Para a análise anual os profissionais tiveram como respaldo os arquivos de IqPR do pesquisador José Sidnei Gonçalves (in memoriam).

Comparando dezembro de 2012 com o mesmo mês de 2011, as maiores altas foram da batata (245,61%), da soja (67,03%), do arroz (54,16%), do feijão (44,67%), trigo (40,02%), frango (37,18%), tomate para mesa (32,48%), ovos (22,22%), carne suína (21,77%), milho (18,95%) e leite B (6,24%), todos com elevações superiores à inflação acumulada no período.

O ano de 2012 apresentou clima muito atípico com precipitações pluviométricas acima da média em junho e abaixo da média em agosto e setembro, prejudicando o desenvolvimento de várias culturas. Daí a quebra de produtividade da safra de inverno paulista, que reduziu a oferta de batata no mercado e, consequentemente, elevou seus preços nos últimos meses.

A ausência de chuvas em agosto e primeira quinzena de setembro atrasaram o plantio das águas do feijão estimulando a elevação do valor no final de 2012.

Já o tomate para mesa reflete intensa gangorra de preços, típica de vegetais perecíveis, verificada durante todo ano de 2012, alternando realidades de preços muito baixos por concentração de oferta e outras de valores extremamente altos em razão da escassez derivada de problemas climáticos associados, em muitos casos, ao desestímulo de situações não remuneradoras quando dos períodos de abundância extremada.

Oito produtos apresentaram queda de preços no acumulado dos últimos doze meses: laranja para mesa (37,18%), laranja para indústria (35,49%), café (32,50%), banana (27,16%), amendoim (14,18%), algodão (5,80%), cana (5,38%) e carne bovina (2,75%%).

Fonte: Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo, escrita por Nara Guimarães