Chuvas permitem retomada do plantio de soja em Mato Grosso e Paraná

Imagem retirada de http://agrolink.com.br/noticias/chuvas-permitem-retomada-do-plantio-de-soja-em-mato-grosso-e-paran--225-_206518.html Imagem retirada de http://agrolink.com.br/noticias/chuvas-permitem-retomada-do-plantio-de-soja-em-mato-grosso-e-paran--225-_206518.html

22/10/2014

Chuvas registradas nas últimas horas em Mato Grosso e desde o final de semana no Paraná permitiram uma retomada do plantio de soja, embora no Centro-Oeste os agricultores indiquem que os volumes tenham sido pequenos para compensar a seca do mês de outubro, que já ameaça o potencial da nova safra.

Segundo dados da Somar Meteorologia, choveu 7 milímetros em média na segunda-feira no sul de Mato Grosso, na primeira precipitação deste mês na região. No centro do Estado, os volumes atingiram 18 milímetros.

"Na maior parte do município não choveu. Mas onde choveu, o pessoal retomou os trabalhos", disse o produtor Alex Utida, presidente do Sindicato Rural de Campo Novo do Parecis, no oeste de Mato Grosso.

Em Lucas do Rio Verde, um dos municípios com as maiores extensões de lavouras do Estado, choveu no domingo e na segunda-feira, contou o presidente do Sindicato Rural do município, Carlos Simon.

"Alguma coisa começou a plantar de novo. Cerca de 15 por cento da área deve estar plantada. Mas vai ter bastante replante", disse ele, referindo-se às áreas semeadas ainda em setembro e que pereceram sob o calor forte das últimas semanas.

"Dentro do município, não é chuva generalizada. É um reinício tímido", disse Simon.

Na região de Sinop, as chuvas não foram suficientes para animar muitos produtores a colocar as máquinas de plantio novamente no campo.

"Conversei com bastante gente, e muitos estão parados esperando para ver o que vai acontecer", disse o vice-presidente do Sindicato Rural do município, Leonildo Bares.

Segundo ele, houve chuvas esparsas, de 15 a 30 milímetros, que garantiram umidade de solo para realização de plantio por um ou dois dias, em algumas áreas do município.

Dos 7 a 8 por cento de área plantada anteriormente, Bares estima que praticamente tudo terá que ser replantado.

Segundo a Somar, uma frente fria no Sudeste organiza mais chuvas sobre o Brasil Central nos próximos dias, embora com precipitações ainda irregulares.

"Entre os dias 26 e 30 de outubro, as chuvas voltam a se espalhar sobre todo o Brasil, com o avanço de outra frente fria pelo Sul e Sudeste", disse a Somar, em relatório nesta terça-feira.

O plantio de soja em Mato Grosso --que representa cerca de 30 por cento da produção do Brasil, maior exportador mundial de soja-- avançou pouco nas últimas semanas. O trabalho estava concluído em 9,3 por cento da área até a semana passada, contra 27,4 por cento registrados um ano atrás.[nL2N0SC0VO]

RISCOS
Os produtores temem que o período prolongado de seca tenha implicações para o potencial da nova safra de soja do Estado, que segundo estimativa feita em agosto pelo Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea) deverá atingir um recorde de 27,7 milhões de toneladas.

Para Alex Utida, o atraso no plantio prejudicará o rendimento das plantas.

"A genética das variedades que usamos alcança o máximo da sua produtividade se for feito plantio no mês de outubro", disse.

A colheita poderá avançar até abril, algo muito incomum em Mato Grosso, ressaltou Carlos Simon, de Lucas do Rio Verde.

"Pega o período crítico de ferrugem asiática lá na frente... A incidência de ferrugem será maior do que na soja colhida no início da safra. Vai ter mais custo de fungicidas", disse o agricultor.

Na avaliação dos produtores, outro problema deverá ser a janela para o plantio de uma segunda safra de milho, logo após a colheita da soja. Com o atraso, dizem, já há muitos indicativos de que serão perdidas as condições ideais para a semeadura do cereal.

PARANÁ
O plantio de soja no Paraná, segundo maior produtor do país, está atrasado ante o ano passado, apontaram nesta terça dados do Departamento de Economia Rural (Deral), do governo estadual.

Os trabalhos foram concluídos em 38 por cento da área prevista, contra um índice de 47 por cento um ano atrás.

Ante a semana anterior, o Deral registrou avanço de apenas 5 pontos percentuais.

Depois de chuvas no início de outubro, foram quase quinze dias de seca no Paraná, o que impediu o avanço dos trabalhos de plantio.

As precipitações voltaram no fim de semana, segundo a Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar).

"Agora está retomando. O pessoal está plantando a pleno vapor", disse o analista Ocepar Robson Mafioletti.

Segundo ele, desde a safra 2008/09 não era registrado um índice de plantio tão baixo para esse período.

"Mas não é nada desesperador... Se continuar chovendo no norte do Estado, mais uns 10 dias estará tudo concluído", disse.

O Deral projeta safra recorde de 17,2 milhões de toneladas de soja no Paraná em 2014/15, alta de 18 por cento ante a temporada 2013/14, prejudicada pelo clima seco no período de desenvolvimento das lavouras.

Fonte: Agrolink, com informações da Reuters (escrita por Gustavo Bonato)