Com safra otimista, soja alavancará venda de máquinas na Agrishow 2013

Imagem retirada de http://agrojornal-agrojornal.blogspot.com.br/2012/04/agrishow-movimentara-r-2-bilhoes-em.html Imagem retirada de http://agrojornal-agrojornal.blogspot.com.br/2012/04/agrishow-movimentara-r-2-bilhoes-em.html

29/04/2013

A um mês para o encerramento da safra, os índices de produtividade da soja no Brasil chegam a um patamar recorde: 81,94 milhões de toneladas do produto em uma área plantada de 27,7 mil hectares. Os dados, divulgados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), mostram um crescimento de 23,4% da cultura em relação à temporada anterior, o que representa 15,5 milhões de toneladas a mais que o registrado na safra 2011/2012.

Os números, aliados aos bons resultados no bolso dos agricultores, devem impulsionar ainda mais as vendas de máquinas e equipamentos para a cultura da soja durante a 20ª edição da Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação (Agrishow), maior feira de agronegócios da América Latina. O evento, que acontece entre os dias 29 de abril e 3 de maio em Ribeirão Preto (SP), espera 790 expositores e mais de 155 mil visitantes.

Segundo o presidente da Agrishow, Maurílio Biagi, a feira deve movimentar R$ 2,5 bilhões em negócios e a maior parte dos investimentos deve ser injetada em equipamentos para a o cultivo de grãos, como a soja. Biagi explica que desde o ano passado isso já vem ocorrendo, devido à queda na produção de laranja e de cana-de-açúcar e à maior disposição de grãos para vendas.

"A soja tem sido campeã de área plantada e de produção. O Brasil, como segundo maior produtor mundial da soja, está muito bem nessa área. Chegamos a um preço recorde do produto no ano passado e isso deixou os agricultores satisfeitos", afirma.

Leonardo Amazonas, analista de mercado de soja na Conab, confirma a projeção do presidente da Agrishow. Segundo ele, os preços altos, aliados à boa safra e à ampliação da área de plantio do grão, devem garantir a aquisição de máquinas agrícolas para a próxima safra. "Os agricultores tiveram ganhos esse ano. Os preços da soja já vieram altos devido às quebras de safra na América do Sul e nos Estados Unidos, no ano passado. Diante dessa situação, não houve prejuízo para os produtores de soja e a aposta na cultura vai ser grande", diz.

No início do ano, as estimativas da Conab eram de que o Brasil ultrapassasse a produção dos Estados Unidos e se tornasse o maior produtor de soja do mundo. Em março, no entanto, o excesso de chuvas na região Centro-Oeste - especialmente no Mato Gosso - e a estiagem na região do Matopiba, que liga os estados do Maranhão, Tocantins, Piaui e Bahia, diminuiram a produtividade do grão.

"Vamos esperar os resultados do Rio Grande do Sul, que é um dos maiores produtores de soja no Brasil, para verificar se vamos conseguir chegar ao patamar dos Estados Unidos", afirma Amazonas. De acordo com o analista, a safra da soja norte-americana deve chegar a 82 milhões de toneladas.

Cana de açúcar
Apesar de a safra da cana-de-açúcar não ser a principal aposta do ano, a venda de máquinas para essa cultura também deve ser satisfatória. Isso porque, em 2014 está previsto o fim da queima da palha da cana em áreas mecanizáveis.

"A questão da mecanização da cana-de-açúcar é um facilitador na venda de equipamentos de colheita dessa cultura. Apesar de o 'boom' da produção não estar totalmente voltado para a cana, as expectativas mesmo assim são muito boas", afirma Maurílio Biagi, presidente da Agrishow.

O secretário de Indústria e Comércio de Sertãozinho (SP), Carlos Roberto Liboni, acredita que a mecanização pode impulsionar as vendas de maquinário e contribuir com o parque industrial metalúrgico do município. "Possivelmente teremos investimentos no sentido da obrigatoriedade da colheita mecanizada, apesar de isso ter muito mais veiculação com o campo do que diretamente com a indústria", afirma.

Liboni, no entanto, não vê com entusiasmo os investimentos em tecnologia de máquinas e equipamentos para a cana-de-açúcar. "O setor sucroenergético é um setor que não está na pauta do governo. Não existe uma consideração do setor como algo prioritário. Mesmo que o produtor tenha vontade de investir em tecnologia, ele não se sente entusiasmado. Nesse aspecto, a situação é preocupante."

Fonte: G1