Escala de navios aponta recorde de exportação de soja para fevereiro

Imagem retirada de http://agrolink.com.br/noticias/escala-de-navios-aponta-recorde-de-exporta--231---227-o-de-soja-para-fevereiro_190024.html Imagem retirada de http://agrolink.com.br/noticias/escala-de-navios-aponta-recorde-de-exporta--231---227-o-de-soja-para-fevereiro_190024.html

27/01/2014

Dados de agendamentos de navios de soja para fevereiro mostram que as exportações brasileiras neste período atingirão um recorde histórico para o mês, devido à demanda internacional e a uma antecipação da safra.

Também é grande o volume de cargas de soja agendadas já para os últimos dias de janeiro.

O line-up de navios aponta ainda para um crescimento nos embarques de farelo de soja na comparação com 2013.

Dados compilados pela SA Commodities mostram que há cerca de 650 mil toneladas de soja já agendadas para navios que atracam nos portos brasileiros em janeiro e 2,5 milhões de toneladas destinadas a navios com atracação em fevereiro.

As exportações de soja foram praticamente inexistentes em janeiro de 2013, somando 280 toneladas, após o Brasil ter ficado com baixos estoques ao final de 2012, e atingiram 959 mil toneladas em fevereiro do ano passado, conforme dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

"Todo ano (a exportação) começa um pouco mais cedo porque se planta cada vez uma área maior mais cedo, e você tem uma disponibilidade mais cedo", disse o analista Steve Cachia, da corretora Cerealpar, no Paraná.

Os números do line-up podem mudar de acordo com alterações nas programações das empresas exportadoras, mas se o volume escalado para fevereiro se confirmar, será um recorde nas exportações brasileiras para este mês.

O Brasil está começando a colher uma safra recorde que deve ficar em torno de 90 milhões de toneladas de soja.

Especialistas afirmam que o plantio de variedades de soja de ciclo curto, com o objetivo de liberar as lavouras mais cedo para uma "safrinha" com milho, por exemplo, está deslocando o pico da colheita brasileira para os primeiros meses do ano.

A consultoria Agroconsult afirma que 42 por cento da soja do Brasil estará colhida até 28 de fevereiro.

A AgRural estimou nesta sexta-feira a colheita brasileira em 3 por cento da área plantada no país, contra 2 por cento na semana passada.

"A colheita está indo bem, em ritmo normal, e a safra é bem maior, então é bem provável que a exportação de fevereiro vai bater recorde mesmo", disse à Reuters a analista Daniele Siqueira, da AgRural.

Em Mato Grosso, maior Estado produtor, 1,5 milhão de toneladas já estão disponíveis no mercado, apesar de uma desaceleração da colheita na última semana devido a chuvas, segundo dados dos produtores.

FARELO
O line-up de navios mostra que haverá fortes embarques de farelo de soja nas próximas semanas no Brasil.

Os navios atracando até o final de janeiro embarcarão 137 mil toneladas e os de fevereiro cerca de 840 mil toneladas, segundo os dados da SA Commodities.

Em fevereiro de 2013, por exemplo, o país exportou 670 mil toneladas do produto, que serve de matéria-prima para ração animal.

"O volume geral parece grande", disse Cachia, lembrando que a demanda internacional está aquecida, especialmente da China.

FILAS
Já é grande o número de navios esperando para atracar em Paranaguá, segundo principal porto de escoamento de grãos no país.

Na manhã desta sexta-feira havia 39 navios graneleiros ancorados no litoral do Paraná, esperando para atracar em Paranaguá, segundo dados em tempo real disponíveis no terminal financeiro Eikon, da Thomson Reuters.

Em março de 2013, por exemplo, o número de navios na fila chegou a passar de 80, devido a uma alta demanda internacional por soja, após uma quebra de safra nos Estados Unidos.

Algumas embarcações chegaram a esperar mais de 2 meses, no ano passado, para conseguir atracar e carregar soja em Paranaguá.

Em Santos, o principal porto exportador de grãos e onde as filas costumam ser bem menores, há 11 navios no mar esperando para atracar, a maioria deles de milho, segundo a SA Commodities. Outros 11 graneleiros estão a caminho do porto no litoral paulista.

Fonte: Reuters, escrita por Gustavo Bonato; editada por Roberto Samora