Índice de Confiança do Agronegócio registra queda em 2016

Imagem retirada de http://www.happening.com.br/agronegoacutecio.html Imagem retirada de http://www.happening.com.br/agronegoacutecio.html

10/02/2017

O Índice de Confiança do Agronegócio (ICAgro) registrou queda no quarto trimestre de 2016 atingindo 104,4 pontos, queda de 1,9 ponto em relação ao trimestre anterior. As informações foram divulgadas hoje (09) pelo Departamento do Agronegócio (Deagro), órgão vinculado às Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB).

"O resultado reflete a percepção sobre as condições gerais da economia, cujos sinais de recuperação ainda são tímidos", disse, em nota, a Fiesp. Apesar do resultado negativo no último trimestre do ano passado, os produtores e empresas que compõem o agronegócio mantiveram-se na faixa de pontuação otimista - acima de 100 pontos.

O Deagro também divulgou os resultados do Índice de Confiança da Indústria antes da porteira, que somou 108,8 pontos no 4º trimestre, um avanço de 0,6 ponto quando comparado ao trimestre anterior. O estudo revela que o resultado está em linha com a atuação do mercado, uma vez que a indústria de fertilizantes encerrou 2016 com entregas recordes, que ultrapassaram 33,5 milhões de toneladas.

Na Indústria depois da porteira, o índice foi de 104,6 pontos, avanço de 1,2 ponto no fechamento do trimestre. "No final de 2016, houve melhoras nos indicadores de mercado de alguns setores industriais avaliados e, de forma geral, existe o sentimento de que "o pior já passou" e que o cenário é de alguma recuperação, ainda que lenta e mais centrada no segundo semestre de 2017", avalia Antonio Costa, gerente do Deagro.

Na avaliação de Marcio Lopes de Freitas, presidente da OCB, não havendo uma deterioração do câmbio, a safra recorde prevista de grãos, aliada ao bom momento de culturas como a cana-de-açúcar e a laranja, além do aguardado surgimento de sinais mais consistentes de recuperação dos indicadores econômicos, deverão manter a confiança do agronegócio brasileiro em patamares elevados."

fonte: Udpo, com informações da Datagro (texto extraído do portal Uagro)