Lavouras gaúchas apresentam boas condições e a expectativa é de preços mais altos nesta safra

Imagem retirada de http://www.bsbios.com/pages/trigo/ Imagem retirada de http://www.bsbios.com/pages/trigo/

07/08/2013

Na região de Lagoão (RS), as lavouras de trigo apresentam boas condições. E diferentemente de outras localidades, como o Paraná, as geadas das últimas semanas foram favoráveis ao desenvolvimento das plantações. De maneira geral o clima tem sido benéfico para as lavouras do cereal no estado. O produtor rural da cidade, Rudinei Luis Erpen, explica que os dias estão intercalados entre dias de sol e chuva. Com essa situação, as plantas conseguem, apesar das precipitações dentro da média, ter algumas horas de sol para se desenvolver.

“O clima é o grande divisor de águas, mas por enquanto é bom e beneficia as lavouras. A grande preocupação dos produtores é em relação às geadas tardias, que podem ocorrer durante o mês de setembro e comprometer a produção de trigo, como aconteceu na safra anterior”, afirma Erpen.

Até o momento, as previsões climáticas não indicam a ocorrência de geadas e as chuvas devem acontecer dentro da normalidade. Frente a esse cenário, a expectativa dos produtores da região é colher acima de 50 sacas por hectare, o que segundo o produtor rural, é uma produtividade dentro da média.

Por outro lado, os preços estão mais altos nesta safra e os agricultores esperam recuperar os prejuízos que obtiveram na safra passada. Na região, os produtores que vendem o produto diretamente aos moinhos conseguem até R$ 50,00 pela saca. Já os que negociam com a cooperativa, vendem o produto, em média, a R$ 35,00 a saca. No ano passado, o valor girava em torno de R$ 27,00 a R$ 30,00 a saca.

“A expectativa de preços é boa este ano. E sabemos que os estados do PR e SP também tiveram problemas com as geadas. E o produto do RS só entrará no mercado em meados de outubro, as cotações ainda podem subir devido à escassez de trigo no mercado. O produtor tem a expectativa de recuperar a rentabilidade nesta safra”, ressalta Erpen.

Fonte: Notícias Agrícolas, escrita por Fernanda Custódio