Líbia aumenta compras de açúcar; Brasil é um dos fornecedores

Imagem: SXC Imagem: SXC

28/09/2012

A Líbia elevou suas compras de açúcar refinado, tendo o Brasil como um dos principais fornecedores, com o objetivo de recompor as reservas usadas durante o conflito armado no ano passado e para conter tumultos no país do Norte da África.

As importações de açúcar refinado caíram drasticamente no último ano durante a revolução que expulsou o longevo líder Muammar Gaddafi.

O consumo anual de açúcar no país entre 2008 e 2010 estava estimado em 280 mil a 290 mil toneladas por ano, de acordo com a Organização Internacional do Açúcar (OIA), que reúne indústrias.

No último ano, as compras caíram para 123 mil toneladas, ante as 296 mil toneladas em 2012, disse a OIA.

"Efetivamente, muito (açúcar) foi usado neste ano e no ano passado e restou pouca coisa", disse um trader sediado no Oriente Médio. "Neste ano a Líbia não importou tanto quanto costumava e eles precisam recompor seus estoques estratégicos."

Dados de embarques em portos brasileiros mostraram cerca de 30 mil toneladas de açúcar refinado sendo enviado nas últimas semanas, com um outro carregamento de cerca de 30 mil toneladas de açúcar bruto também destinado à Líbia.

Uma carga de 26 mil toneladas de açúcar refinado também estava prevista para ser enviada do Brasil nos próximos dias, de acordo com escalas portuárias.

"Os líbios têm estado muito quietos nos últimos tempos. Todo mundo estava esperando que eles voltassem ao mercado", disse um trader europeu.

O governo recém-eleito na Líbia está enfrentando uma série de desafios, incluindo tensões tribais em partes do país, após a guerra.

"Embora as eleições tenham ido bem, o governo eleito tem tido dificuldades para estabelecer sua legitimidade", disse J. Peter Pham, um diretor do centro de pesquisa Atlantic Council, nos EUA.

"Não é, de forma alguma, surpreendente que o governo líbio irá querer usar uma boa parte do dinheiro obtido com o petróleo para manter uma cesta mínima de itens necessários disponíveis a preços acessíveis", ele acrescentou.

Traders notaram um line-up maior que o habitual de navios nos portos brasileiros neste mês carregando açúcar refinado ensacado com destino à Líbia.

Alguns carregamentos de açúcar bruto mencionados nos line-ups brasileiros tendo a Líbia como destino podem ser errôneos, traders disseram, referindo-se à baixa capacidade de refino do país africano.

O Brasil exportou 59 mil toneladas de açúcar para a Líbia em 2010, antes da revolução, abaixo das 103 mil toneladas em 2009, de acordo com a OIA.

Fonte: Reuters, escrita por Jonathan Saul e David Brough, com reportagem adicional de Maha El Dahan, em Dubai