Ministro quer regionalização das políticas para agricultura

Imagem: Fred Fokkelman, SXC (http://www.sxc.hu/browse.phtml?f=download&id=1379940) Imagem: Fred Fokkelman, SXC (http://www.sxc.hu/browse.phtml?f=download&id=1379940)

04/04/2012

A regionalização da política agrícola do país foi defendida pelo ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Mendes Ribeiro Filho, em reunião que presidiu ontem, em Brasília, com a participação de 24 integrantes do Conselho Nacional de Secretários de Agricultura (Conseagri). Os secretários estaduais trouxeram ao encontro preocupação com a seca no Sul e no Nordeste do país.
Para Mendes Ribeiro Filho, a regionalização é parte do processo de fortalecimento das relações entre a União e os estados para o desenvolvimento da política agrícola brasileira. Nesse sentido, conforme o dirigente, a Embrapa e a Conab, organismos vinculados ao ministério, serão fundamentais para desenvolver as ações necessárias em cada região.
O ministro disse que seu objetivo é “trabalhar em conjunto com cada governador para atender às necessidades locais”. Ele explicou que é preciso considerar as diferentes agriculturas que existem em um país do tamanho do Brasil.
Mendes Ribeiro Filho falou também sobre as medidas de apoio aos agricultores afetados por estiagens e enchente. Em sua exposição, o ministro ainda abordou, entre outras, as políticas do Ministério da Agricultura para comercialização do arroz e os leilões de trigo e milho.
O secretário de Política Agrícola do Ministério, Caio Rocha, disse que espera informações oficiais dos municípios afetados para providenciar as medidas necessárias de socorro, que envolverão também outros ministérios.
Os dirigentes apresentaram programas e projetos do ministério para desenvolver a agricultura brasileira em áreas como irrigação, correção de solo, fruticultura, pecuária, estradas rurais, armazenagem, eletrificação trifásica e seguro agrícola. Também foram discutidos o Sistema Único de Atenção à Sanidade Agropecuária (Suasa) e o Programa de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (ABC).
Os secretários falaram sobre questões que envolvem medidas do governo federal para a agricultura regional. Entre os pontos abordados durante os debates, está a questão da seca nos estados do Sul e agora também em algumas partes do Nordeste, onde não choveu no mês de março, fato que já preocupa os agricultores. O Conseagri é presidido pelo secretário de Agricultura da Bahia, Eduardo Salles.
A regionalização da política agrícola do país foi defendida pelo ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Mendes Ribeiro Filho, em reunião que presidiu ontem, em Brasília, com a participação de 24 integrantes do Conselho Nacional de Secretários de Agricultura (Conseagri). Os secretários estaduais trouxeram ao encontro preocupação com a seca no Sul e no Nordeste do país.
Para Mendes Ribeiro Filho, a regionalização é parte do processo de fortalecimento das relações entre a União e os estados para o desenvolvimento da política agrícola brasileira. Nesse sentido, conforme o dirigente, a Embrapa e a Conab, organismos vinculados ao ministério, serão fundamentais para desenvolver as ações necessárias em cada região.
O ministro disse que seu objetivo é “trabalhar em conjunto com cada governador para atender às necessidades locais”. Ele explicou que é preciso considerar as diferentes agriculturas que existem em um país do tamanho do Brasil.
Mendes Ribeiro Filho falou também sobre as medidas de apoio aos agricultores afetados por estiagens e enchente. Em sua exposição, o ministro ainda abordou, entre outras, as políticas do Ministério da Agricultura para comercialização do arroz e os leilões de trigo e milho.
O secretário de Política Agrícola do Ministério, Caio Rocha, disse que espera informações oficiais dos municípios afetados para providenciar as medidas necessárias de socorro, que envolverão também outros ministérios.
Os dirigentes apresentaram programas e projetos do ministério para desenvolver a agricultura brasileira em áreas como irrigação, correção de solo, fruticultura, pecuária, estradas rurais, armazenagem, eletrificação trifásica e seguro agrícola. Também foram discutidos o Sistema Único de Atenção à Sanidade Agropecuária (Suasa) e o Programa de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (ABC).
Os secretários falaram sobre questões que envolvem medidas do governo federal para a agricultura regional. Entre os pontos abordados durante os debates, está a questão da seca nos estados do Sul e agora também em algumas partes do Nordeste, onde não choveu no mês de março, fato que já preocupa os agricultores. O Conseagri é presidido pelo secretário de Agricultura da Bahia, Eduardo Salles.
A regionalização da política agrícola do país foi defendida pelo ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Mendes Ribeiro Filho, em reunião que presidiu ontem, em Brasília, com a participação de 24 integrantes do Conselho Nacional de Secretários de Agricultura (Conseagri). Os secretários estaduais trouxeram ao encontro preocupação com a seca no Sul e no Nordeste do país.

Para Mendes Ribeiro Filho, a regionalização é parte do processo de fortalecimento das relações entre a União e os estados para o desenvolvimento da política agrícola brasileira. Nesse sentido, conforme o dirigente, a Embrapa e a Conab, organismos vinculados ao ministério, serão fundamentais para desenvolver as ações necessárias em cada região.

O ministro disse que seu objetivo é “trabalhar em conjunto com cada governador para atender às necessidades locais”. Ele explicou que é preciso considerar as diferentes agriculturas que existem em um país do tamanho do Brasil.

Mendes Ribeiro Filho falou também sobre as medidas de apoio aos agricultores afetados por estiagens e enchente. Em sua exposição, o ministro ainda abordou, entre outras, as políticas do Ministério da Agricultura para comercialização do arroz e os leilões de trigo e milho.

O secretário de Política Agrícola do Ministério, Caio Rocha, disse que espera informações oficiais dos municípios afetados para providenciar as medidas necessárias de socorro, que envolverão também outros ministérios.

Os dirigentes apresentaram programas e projetos do ministério para desenvolver a agricultura brasileira em áreas como irrigação, correção de solo, fruticultura, pecuária, estradas rurais, armazenagem, eletrificação trifásica e seguro agrícola. Também foram discutidos o Sistema Único de Atenção à Sanidade Agropecuária (Suasa) e o Programa de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (ABC).

Os secretários falaram sobre questões que envolvem medidas do governo federal para a agricultura regional. Entre os pontos abordados durante os debates, está a questão da seca nos estados do Sul e agora também em algumas partes do Nordeste, onde não choveu no mês de março, fato que já preocupa os agricultores. O Conseagri é presidido pelo secretário de Agricultura da Bahia, Eduardo Salles.

A regionalização da política agrícola do país foi defendida pelo ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Mendes Ribeiro Filho, em reunião que presidiu ontem, em Brasília, com a participação de 24 integrantes do Conselho Nacional de Secretários de Agricultura (Conseagri). Os secretários estaduais trouxeram ao encontro preocupação com a seca no Sul e no Nordeste do país.

Para Mendes Ribeiro Filho, a regionalização é parte do processo de fortalecimento das relações entre a União e os estados para o desenvolvimento da política agrícola brasileira. Nesse sentido, conforme o dirigente, a Embrapa e a Conab, organismos vinculados ao ministério, serão fundamentais para desenvolver as ações necessárias em cada região.

O ministro disse que seu objetivo é “trabalhar em conjunto com cada governador para atender às necessidades locais”. Ele explicou que é preciso considerar as diferentes agriculturas que existem em um país do tamanho do Brasil.

Mendes Ribeiro Filho falou também sobre as medidas de apoio aos agricultores afetados por estiagens e enchente. Em sua exposição, o ministro ainda abordou, entre outras, as políticas do Ministério da Agricultura para comercialização do arroz e os leilões de trigo e milho.

O secretário de Política Agrícola do Ministério, Caio Rocha, disse que espera informações oficiais dos municípios afetados para providenciar as medidas necessárias de socorro, que envolverão também outros ministérios.

Os dirigentes apresentaram programas e projetos do ministério para desenvolver a agricultura brasileira em áreas como irrigação, correção de solo, fruticultura, pecuária, estradas rurais, armazenagem, eletrificação trifásica e seguro agrícola. Também foram discutidos o Sistema Único de Atenção à Sanidade Agropecuária (Suasa) e o Programa de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (ABC).

Os secretários falaram sobre questões que envolvem medidas do governo federal para a agricultura regional. Entre os pontos abordados durante os debates, está a questão da seca nos estados do Sul e agora também em algumas partes do Nordeste, onde não choveu no mês de março, fato que já preocupa os agricultores. O Conseagri é presidido pelo secretário de Agricultura da Bahia, Eduardo Salles.

Fonte: Umuarama Ilustrado