MT pode plantar grão em 1 milhão de ha

Imagem retirada de http://agrolink.com.br/noticias/mt-pode-plantar-grao-em-1-milhao-de-ha_186804.html Imagem retirada de http://agrolink.com.br/noticias/mt-pode-plantar-grao-em-1-milhao-de-ha_186804.html

04/11/2013

As opções, já declaradas por alguns sojicultores visitados pela expedição do Circuito Tecnológico, para a segunda safra têm inquietado colegas de campo, autoridades sanitárias e a Aprosoja/MT. Ameaça já tratada pelo Diário neste mês ganhou dimensão nos últimos 15 dias e a expectativa é de Mato Grosso plante soja sobre soja, ou seja, a oleaginosa voltaria a cobrir o solo como opção de segunda safra e essa tendência deve levar ao recorde: cerca de 1 milhão de hectares (ha) semeados com soja.

Isso porque muitos produtores ainda não adquiriram quase nada de insumos para o plantio de milho, que tem início no Estado na medida em que a safra de soja começa a ser colhida em meados de janeiro. Conforme a Aprosoja/MT, esse movimento é um indicador de que haverá redução na área de milho e que a segunda safra com soja também vai acontecer em algumas áreas do Estado.

Segundo o presidente da Entidade, Carlos Fávaro, a opção pela soja é devido à viabilidade econômica da cultura, sua liquidez no mercado, mas ele alerta que essa opção apresenta restrições agronômicas. “Não dá para abrir mão de fazer a segunda safra, o produtor tem essa estrutura e precisar fazer. Mas, se na teoria o problema está na soja em cima de soja, também é essa cultura a única que dá retorno financeiro, inclusive para combater a praga da vez, a Helicoverpa. Então não é de todo ruim essa opção, mas é preciso atenção”.

A pesada redução no uso de insumos daqueles que optaram por milho na safrinha ocorre porque a cultura não paga sua própria conta. Há dois anos o produtor tem investido em alta tecnologia no cultivo do cereal, o que fez a produção saltar de 7 para 22 milhões de toneladas. Para o presidente, o investimento valia à pena quando o preço pagava a conta, principalmente em razão dos problemas vividos pelo Rio Grande do Sul e Estados Unidos nos últimos anos. Com os estoques regularizados e com a superprodução de Mato Grosso, o preço caiu. “O que se espera para esta segunda safra são dois tipos de plantio: um com alta tecnologia e outro com baixa tecnologia. A produção de milho será menor, tanto por conta da redução de área quanto pela redução de tecnologia.”

SEMENTES - A qualidade das sementes utilizadas no campo também está assustando alguns produtores e trazendo preocupações para a Associação. Muitos casos de atraso na entrega, sementes erradas e com problemas na germinação foram relatados pelos produtores ás equipes do Circuito Tecnólogico. “Existem empresas que venderam de forma antecipada há cerca de seis ou oito meses ao produtor e ele ainda aguarda a entrega da variedade escolhida, mas a empresa manda outra, justificando problemas”, lembrou Fávaro. A janela ideal de plantio para o cultivo da soja em Mato Grosso – período que garante o melhor desenvolvimento às lavouras – vai de 5 de outubro a 5 de novembro.

Cerca de 800 amostras de sementes foram coletas durante o Circuito Tecnológico e serão base para estudos internos da Aprosoja/MT, e também, materiais para uma pesquisa sobre qualidade fisiológica e sanitária de sementes realizada pela Universidade Federal de Lavras (Ufla), de Minas Gerais.

Ainda, segundo o presidente da Aprosoja/MT, como os casos acontecem individualmente, é complicado tomar uma atitude geral. “A semente praticamente triplicou de preço nos últimos dois anos. Se você começa sua lavoura com falta de plantas por metro linear, não tem como ter uma boa safra”.

Fonte: Diário de Cuiabá