'Queremos uma grande classe média rural', diz ministra da agricultura no PI

Imagem: Pedro Santiago/G1 Imagem: Pedro Santiago/G1

18/05/2015

Durante a apresentação do Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba na quinta, 14, em Teresina, a ministra da agricultura, Kátia Abreu, disse que o desafio da iniciativa é formar uma grande e sólida classe média rural. Segundo dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), atualmente 94% dos produtores de toda essa região, que envolve 31 cidades do Piauí, são pobres ou muito pobres e são responsáveis por apenas 14% da riqueza.

“Vamos atuar de forma a criar politicas públicas que aumentem a renda, emprego e qualificação profissional dos pequenos e médios produtores rurais. Devemos fazer uma força tarefa entre todos os governadores; os produtores precisam se organizar para ganhar competividade”, falou a ministra.

O lançamento oficial da Agência de Desenvolvimento Matopiba, que reúne áreas dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, ocorreu no auditório do Centro Integrado de Reabilitação (Ceir), no bairro Ilhotas, Zona Sul de Teresina. Segundo a ministra, o plano tem como objetivo impulsionar o desenvolvimento econômico das regiões de forma sustentável e integrada.

Para chegar ao objetivo, o Plano de Ação vai trabalhar três eixos fundamentais: infraestrutura com estradas, armazenagem, hidrovias e energia; inovação e tecnologia com pesquisas focadas na área agropecuária de cada região; e fortalecimento da classe média no campo por meio de políticas públicas.

“Precisamos de vias de transportes em condições de uso para escoar toda a produção. Ao mesmo tempo, o plano vai fortalecer pesquisas adaptadas para cada região com o objetivo de dobrar o triplicar a produção agrícola. Entratanto, nada disso será possível sem a formação de profissionais capacitados na operação de novos equipamentos do campo”, afirmou a ministra.

Também presente na cerimônia, o governador do Piauí, Wellington Dias, enalteceu a iniciativa e disse que a Agência de Desenvolvimento Matopiba tem todos os mecanismos para alavancar o desenvolvimento da área. “Significa um conjunto de investimentos necessários para tornar a produção agrícola do Piauí mais competitiva e ainda incluir os pequenos produtores”, disse.

Segundo Evaristo de Miranda, autor de estudo do Matopiba, a produção do Piauí passou de cinco mil toneladas de grãos em 1993, para mais de um milhão de toneladas em 2011.

“Esse resultado impressionante do estado ajudou o Nordeste a ultrapassar, pela primeira vez na história, a produção agrícola da região Sudeste. Entretanto, a região do Matopiba é feita por ilhas de prosperidades em meio a um mar de pobreza. O desafio é incluir a maioria dessas pessoas no mercado de produção”, disse Miranda.

Fonte: G1, escrita por Ellyo Teixeira e Pedro Santiago