Vendas de máquinas agrícolas crescem 15%

Imagem retirada de http://revistagloborural.globo.com/Revista/Common/0,,EMI317444-18078,00-VENDAS+DE+MAQUINAS+AGRICOLAS+CRESCEM.html Imagem retirada de http://revistagloborural.globo.com/Revista/Common/0,,EMI317444-18078,00-VENDAS+DE+MAQUINAS+AGRICOLAS+CRESCEM.html

03/09/2012

As vendas de máquinas e implementos agrícolas registraram um crescimento de 15% no primeiro semestre deste ano comparativamente a igual período de 2011. A informação foi divulgada nesta terça-feira (28/08) pelo presidente da Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas – CSMIA – da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (ABIMAQ), Celso Casale, durante a realização da EXPOINTER 2012, no Parque de Exposições de Esteio (RS).

Casale acrescentou que por enquanto esta tendência de incremento está se consolidando devido aos preços favoráveis das commodities agrícolas no mercado internacional e à disponibilidade de crédito em boas condições em termos de taxas de juros e prazos dos financiamentos.

A expectativa do setor é de que os níveis de comercialização de máquinas e implementos continuem em expansão no país porque a agropecuária brasileira carece de ganhos de produtividade para fazer frente à elevação dos custos de produção e também à escassez de mão de obra na atividade rural.

O presidente da CSMIA/ABIMAQ manifestou por outro lado sua preocupação com a decisão do governo de ampliar os financiamentos de máquinas e implementos usados, em prazos que variam de sete a dez anos. “Além desta política não contribuir para a geração de empregos na indústria do setor, não favorece a elevação da produtividade, por serem obsoletos”, disse.

Para ele, os produtores familiares, que mais adquirem esses equipamentos, terão que arcar com elevados custos para a sua manutenção, o que poderá redundar em inadimplência junto às instituições de crédito. O executivo explicou, ainda, que a indústria de máquinas e implementos agrícolas por enquanto não está sendo muito afetada pelo processo de desindustrialização, embora alguns fabricantes já começam a sofrer com o aumento da concorrência externa.

O problema é ocasionado pelo chamado custo Brasil, decorrente da elevada carga tributária incidente ao longo da cadeia produtiva, juntamente com as tarifas da energia e o preço do aço, entre outros fatores. Com isto, já custa 30% a 40% mais caro produzir no Brasil do que na Europa, exemplificou Casale. Uma saída tem sido a importação de componentes e, em casos extremos, a instalação de plantas industriais no exterior.

Fonte: Globo Rural Online